quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Estreias 31 Dez'15: The Danish Girl, 45 Years, Creed, Solace e Journal d'une femme de chambre

Dia 31 de Dezembro, pode contar com as seguintes estreias numa sala de cinema perto de si:

Destaques:

  A Rapariga Dinamarquesa (The Danish Girl)
Ano: 2015
Realização: 
Argumento:
Género: Drama
Elenco: ,

Dinamarca, década de 1920. O casal Einar e Gerda Wegener são dois pintores reconhecidos. Um dia, por mero acaso, a rapariga que Gerda contratou para retratar nas suas pinturas cancela o encontro. Sem alternativa, lembra-se de usar o próprio marido como modelo. Ele acede ao seu pedido. Será naquele momento que ele, usando roupas de mulher, sente nascer dentro de si algo que, com o passar do tempo, se transformará no mais intenso desejo da sua vida: ser mulher. Se, ao princípio, isto lhes parece a ambos uma espécie de jogo, aos poucos leva-o a uma lenta transformação numa outra pessoa, que o obriga a viver uma vida dupla enquanto Einar ou Lili – o nome adoptado na sua “persona” feminina. Até que ele decide arriscar uma cirurgia experimental na Alemanha para mudar de sexo, tornando-se na primeira pessoa a submeter-se a uma intervenção do género. Ao longo de dois anos, Lili Elbe foi operada cinco vezes. No final deste processo, solicitou ao rei da Dinamarca que dissolvesse o seu casamento. O pedido foi concedido em 1930, altura em que conseguiu ver legalizada a sua nova identidade. Durante todo o processo, Gerda esteve sempre ao seu lado… Estreado na 72.ª edição do Festival de Cinema de Veneza, um filme dramático que conta com a assinatura de Tom Hooper ("O Discurso do Rei", “Os Miseráveis”). O argumento é baseado na obra homónima de David Ebershoff que, por sua vez, se inspira na extraordinária história dos artistas Einar Wegener/Lili Elbe e Gerda Wegener. Os actores Eddie Redmayne, Alicia Vikander, Ben Whishaw, Sebastian Koch, Amber Heard e Matthias Schoenaerts dão vida às personagens.

Outras sugestões:

45 Anos (45 Years)

Ano: 2015
Realização: 
Argumento:
Género: Drama
Elenco:  ,

Apesar de nunca terem tido filhos, o casal Kate e Geoff Mercer são felizes. Com a festa do 45.º aniversário para organizar, ela está entusiasmada em celebrar a relação e tudo o que conquistaram ao longo dos anos em comum. Mas tudo se altera quando Geoff recebe uma carta da Suíça a informá-lo de que foi descoberto o cadáver de Katya, a namorada anterior a Kate, que morreu tragicamente em 1962 durante umas férias do casal, ao cair numa fissura de um glaciar. Aquela notícia abala-o de um modo inesperado, levando-o a voltar a fumar e a afastar-se de tudo o que se relaciona com a vida presente. Assim, à medida que se aproxima a data da celebração, o casal sente-se mergulhar cada vez mais nas histórias passadas. E esse exercício – perigoso para ambos – fá-los colocar em causa o futuro em comum… Em competição na 65.ª Edição do Festival de Cinema de Berlim (onde Charlotte Rampling e Tom Courtenay receberam o Urso de Prata para melhor actriz e actor), um filme dramático realizado por Andrew Haigh (“Amor de Fim-de-Semana”) que tem por base o conto “Another Country”, escrito por David Constantine.


Creed: O Legado de Rocky (Creed)

Ano: 2015
Realização: 
Argumento:  , Aaron Covington
Género: Drama
Elenco: , ,

Adonis Johnson nunca conheceu o seu pai, Apollo Creed, campeão mundial de pesos-pesados, morto devido a ferimentos ocorridos no ringue. Depois de uma infância complicada que o levou por caminhos perigosos, ele está agora decidido a dedicar a sua vida ao boxe e tornar-se um campeão, em honra do progenitor. Para isso, segue viagem até à cidade de Filadélfia (EUA), o local do lendário combate entre Creed e Rocky Balboa. Adonis localiza Rocky e pede-lhe que lhe ensine as suas tácticas e se torne seu mentor. Apesar de relutante em voltar a envolver-se com o que, conscientemente, decidiu deixar para trás, Rocky reconhece no jovem uma força e determinação raras, fundamentais a um vencedor. Juntos, decidem fazer equipa e criar um novo campeão cujas vitórias o transformarão no justo sucessor de Apollo Creed. Sétimo filme da saga “Rocky”, conta com argumento e realização de Ryan Coogler e com Robert Chartoff, Irwin Winkler e Sylvester Stallone na equipa de produção. Para além de Stallone no seu mítico papel de Rocky Balboa, o elenco conta ainda com Michael B. Jordan, Tessa Thompson, Tony Bellew ou Graham McTavish, entre outros.

Solace: Premonições (Solace)


Ano: 2015
Realização:
Argumento: ,
Género: Thriller
Elenco: , ,

John Clancy é um agente da polícia reformado que possui poderes paranormais. Esta capacidade, que lhe permite ter visões do passado e do futuro, é, simultaneamente, um dom e uma maldição com que foi obrigado a viver toda a vida. É então que o agente do FBI Joe Merriwether e a sua colega Katherine Cowles o persuadem a voltar ao activo para os ajudar a encontrar um assassino em série que perseguem há meses e que não há meio de identificarem. Mas tudo se complica quando John se apercebe de que o assassino que todos anseiam por encontrar também possui poderes de clarividência e que consegue antecipar cada um dos seus passos… Um “thriller” de acção realizado por Afonso Poyart (“Dois Coelhos”) segundo um argumento de Peter Morgan e Sean Bailey e que conta com Anthony Hopkins, Colin Farrell, Jeffrey Dean Morgan e Abbie Cornish nos papéis principais.

Diário de Uma Criada de Quarto (Journal d'une femme de chambre)

Ano: 2015
Realização: 
Argumento:  , Hélène Zimmer
Género: Drama
Elenco:  , ,  
Célestine deixa Paris e vai trabalhar como criada de quarto para a casa dos Lanlaire, uma família endinheirada de uma zona rural francesa. Jovem e muito bela, vai evitando os avanços do patrão, que usa da sua posição de poder para seduzir as empregadas. É então que conhece Joseph, um homem que guarda os seus próprios segredos e que a ajuda a lidar com a senhora da casa, uma pessoa autoritária e caprichosa que inveja a sua juventude e beleza… Adaptação cinematográfica do romance homónimo do escritor, crítico de arte e jornalista Octave Mirbeau – já anteriormente filmado por Jean Renoir (1946) e por Luis Buñuel (1964) –, conta com realização e argumento do francês Benoît Jacquot (“Sade”, “Adeus, Minha Rainha “, “3 Corações”).
Sinopses: Cinecartaz Público

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

"Spotlight", "Room" e George Miller vencem os prémios da crítica de Indiana


A Indiana Film Critics Association elegeu os vencedores dos seus prémios da crítica para 2015. Entre os vencedores estão Spotlight (com três prémios, incluindo Melhor Filme e Argumento Original), Room (Melhor Actor, Actriz e Argumento Adaptado) e Mad Max: Fury Road (Melhor Realizador e Banda Sonora).

Melhor Filme
Spotlight

Melhor Realizador
George Miller por Mad Max: Fury Road

Melhor Actor
Jacob Tremblay em Room

Melhor Actriz
Brie Larson em Room

Melhor Actor Secundário
Mark Ruffalo em Spotlight

Melhor Actriz Secundária
Greta Gerwig em Mistress America

Melhor Argumento Original
Tom McCarthy e Josh Singer por Spotlight

Melhor Argumento Adaptado
Emma Donoghue por Room

Melhor Banda Sonora
Junkie XL por Mad Max: Fury Road

Melhor Filme de Animação
Anomalisa

Melhor Filme Estrangeiro
Son of Saul (Hungria)

Melhor Documentário
Amy

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Críticos de St. Louis elegem "Spotlight" como o melhor filme do ano


Spotlight venceu três prémios da St. Louis Gateway Critics Association, incluindo Melhor Filme, Realizador e Argumento Original. Mad Max: Fury Road foi também triplamente premiado, enquanto que The Revenant foi galardoado nas categorias de Melhor Actor e Melhor Fotografia.

Melhor Filme
Spotlight

Melhor Realizador
Thomas McCarthy por Spotlight

Melhor Actor
Leonardo DiCaprio em The Revenant

Melhor Actriz
Brie Larson em Room

Melhor Actor Secundário
Sylvester Stallone em Creed

Melhor Actriz Secundária
Alicia Vikander em Ex Machina

Melhor Argumento Original
Tom McCarthy e Josh Singer por Spotlight

Melhor Argumento Adaptado
Drew Goddard por The Martian

Melhor Direcção Artística
Mad Max: Fury Road

Melhor Fotografia
Emmanuel Lubezki por The Revenant

Melhor Montagem
Mad Max: Fury Road

Melhor Banda Sonora
Ennio Morricone por The Hateful Eight

Melhor Canção
"Writing's on the Wall", de Spectre

Melhores Efeitos Visuais
Mad Max: Fury Road

Melhor Documentário
Amy

Melhor Filme de Animação
Inside Out

Melhor Filme Estrangeiro
Goodnight Mommy (Áustria)

Estreias 24 Dez'15: The Peanuts Movie, Sisters, Amor Impossível, Heart of A Dog e The Gift

Dia 24 de Dezembro, pode contar com as seguintes estreias numa sala de cinema perto de si:

Destaques:

  Snoopy e Charlie Brown: Peanuts - O Filme (The Peanuts Movie)
Ano: 2015
Género: Animação

Quando uma menina de cabelos ruivos se muda para o seu bairro, o pequeno Charlie Brown fica irremediavelmente apaixonado. Porém, devido à sua personalidade insegura e sempre prestes a meter-se em sarilhos, está a ser difícil fazer com que ela saiba que ele existe. Quando, ao perceber da sua paixão, Lucy lhe explica que as raparigas gostam de rapazes confiantes e que ele tem de agir como se fosse um “vencedor nato”, Charlie decide que é chegado o momento de mudar radicalmente a sua forma de estar no mundo. É então que, de forma a provar o seu valor, embarca numa série de novas actividades na esperança de receber a atenção da menina. Porém, parece que encarnar um “espírito vencedor” não é para todos e Charlie vê-se invariavelmente a fazer-se notar… pelos piores motivos possíveis. Combinando as mais recentes técnicas de animação com o tipo de narração das tiras da BD original criada nos anos 1940 por Charles M. Schulz, uma comédia animada que conta com a realização de Steve Martino (“Horton e o Mundo dos Quem”, “A Idade do Gelo 4: Deriva Continental“) segundo um argumento de Craig e Bryan Schulz (filho e neto de Charles M. Schulz).

Outras sugestões:

Só Podiam Ser Irmãs (Sisters)

Ano: 2015
Realização: 
Argumento:
Género: Comédia
Elenco: , ,

As irmãs Jane e Maura ficam em choque quando os pais anunciam a venda da casa de família. O que eles lhes pedem é que, assim que lhes for possível, cada uma delas vá buscar as coisas que deixaram nos seus respectivos quartos. Por mais contrariadas com o facto de perderem a casa onde passaram a infância, ambas percebem que a decisão foi tomada e nada mais há a fazer. Assim, de forma a encerrar esse capítulo da sua vida, resolvem fazer uma enorme festa em honra do passado e convidar todos os colegas e amigos da juventude. A diversão, que já prometia variadíssimos excessos, vai transformar-se em algo de proporções inesperadas que os transportará, a todos, a uma época que julgavam há muito ultrapassada: a adolescência.


Amor Impossível (Amor Impossível)

Ano: 2015
Realização:
Argumento:
Género: Drama
Elenco: , ,

Depois do súbito desaparecimento de Cristina, Tiago, o seu namorado, crente que se tratou de um rapto, decide pedir ajuda à polícia. Porém, Madalena e Marco, os dois investigadores da PJ responsáveis pelo caso, têm alguma dificuldade em acreditar nessa versão dos acontecimentos e decidem investigar a fundo a vida da rapariga… Depois do sucesso de “Call Girl” (2007), “A Bela e o Paparazzo” (2010) e, mais recentemente, “Os Gatos Não Têm Vertigens” (2014), “Amor Impossível” é a quarta parceria entre o realizador António-Pedro Vasconcelos, o produtor Tino Navarro e o argumentista Tiago R. Santos. Totalmente rodado na cidade de Viseu, conta com Victoria Guerra, José Mata, Ricardo Pereira e Soraia Chaves nos papéis principais.

Coração de Cão (Heart of a Dog)

Ano: 2015
Realização:
Género: Documentário

Com assinatura de Laurie Anderson, uma das mais reconhecidas artistas norte-americanas, um filme-ensaio sobre a vida, a morte e a linguagem que resulta numa reflexão íntima e pessoal sobre a perda. Narrado com a sua própria voz, mistura histórias de infância, teorias filosóficas e políticas com algumas das suas experiências mais íntimas, desde a relação com Lolabelle, a sua adorada cadela “rat terrier”, à morte da mãe – que lhe deixou alguns sentimentos ambivalentes –, ou o trágico falecimento de Lou Reed, o seu companheiro de anos, falecido a 27 de Outubro de 2013.

Um Presente do Passado (The Gift)

Ano: 2015
Realização: 
Argumento: 
Género: Thriller
Elenco: , ,

Simon e Robyn deixam a cidade de Chicago (EUA) para iniciarem uma nova vida em Los Angeles, a cidade onde ele viveu a infância e a adolescência e onde agora vai assumir um cargo importante. Tudo parece acontecer segundo os planos até Simon reencontrar Gordo, um ex-colega de liceu que não via há mais de 25 anos. Aos poucos, Gordo decide imiscuir-se na vida do casal, aparecendo sem anúncio ou oferecendo presentes dispendiosos que os deixam pouco à vontade. Um dia, desconfortável com a presença constante de Gordo para onde quer que se mova, Simon decide ser directo e pedir-lhe para se afastar. A partir deste momento uma série de estranhos eventos começam a ocorrer na vida do casal. Robyn, que desde sempre sentiu alguma simpatia por Gordo, fica intrigada com a evidente necessidade de Simon o manter à distância. É então que, ao tentar perceber o que se terá passado entre eles, ela se depara com um segredo escondido durante mais de duas décadas que ameaça destruir tudo em que sempre acreditou… Escrito, produzido, realizado e interpretado por Joel Edgerton (na sua estreia na longa-metragem), um “thriller” psicológico que conta ainda com a participação de Jason Bateman e Rebecca Hall.
Sinopses: Cinecartaz Público

Lista de pré-nomeados ao Óscar 2016 de Melhores Efeitos Visuais


A Academia revelou uma lista de dez filmes pré-nomeados ao Óscar 2016 de Melhores Efeitos Visuais. Da lista ficaram de fora produções como The Hunger Games: Mockingjay - Part 2, Mission: Impossible - Rogue Nation ou Jupiter Ascending, mencionadas previamente quando a lista incluía vinte títulos.

  • Ant-Man
  • Avengers: Age of Ultron
  • Ex Machina
  • Jurassic World
  • Mad Max: Fury Road
  • The Martian
  • The Revenant
  • Star Wars: The Force Awakens
  • Tomorrowland
  • The Walk


Todos os membros do ramo de Efeitos Visuais serão convidados a visualizar excertos de dez minutos de cada um dos filmes. Posteriormente, os membros votarão nos cinco nomeados à categoria, que serão conhecidos a 14 de Janeiro.

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Estreia de "Star Wars: The Force Awakens" em Portugal não bate recorde de "Furious 7"


O mediatismo da estreia de Star Wars: The Force Awakens provocou uma grande afluência aos cinemas. Em Portugal, o filme foi visto por 157.670 espectadores nos primeiros quatro dias de exibição, com 161 ecrãs e quase um milhão em receita bruta de bilheteira. Embora tenha dominado a bilheteira, o filme não conseguiu superar os recordes de outros três filmes este ano: Furious 7 (238.044 espectadores), Minions (200.803 espectadores) e Fifty Shades of Grey (160.830 espectadores). Estes resultados contrariam o conseguido um pouco por todo o mundo.

No box office mundial, o filme já facturou mais de 610 milhões em receitas (322.700 milhões de dólares nos mercados fora dos EUA). Nos EUA, ocupa o sexto lugar nos filmes de maior receita em 2015. No fim-de-semana de estreia no mercado norte-americano, Star Wars: The Force Awakens superou o recorde alcançado por Jurassic World (208.8 milhões).

"Spotligh" vence Melhor Filme; "The Revenant" soma quatro prémios da crítica de Nevada


Os críticos cinematográficos da Nevada Film Critics Association premiaram Spotlight como o Melhor Filme de 2015. O filme recebeu ainda prémios nas categorias de Melhor Argumento Original e Melhor Elenco. Mas The Revenant ocupou as preferências, com quatro galardões para Melhor Realizador, Fotografia, Actor e Actor Secundário.

Melhor Filme
Spotlight

Melhor Realizador
Alejandro Gonzaléz Inãrritu por The Revenant

Melhor Actor
Leonardo DiCaprio em The Revenant

Melhor Actriz
Brie Larson em Room

Melhor Actor Secundário
Tom Hardy em The Revenant

Melhor Actriz Secundária
Alicia Vikander em Ex Machina

Melhor Argumento Original
Tom McCarthy e Josh Singer por Spotlight

Melhor Argumento Adaptado
Emma Donoghue em Room & Drew Goddard em The Martian

Melhor Fotografia
Emmanuel Lubezki por The Revenant

Melhor Design de Produção
Francois Seguin por Brooklyn

Melhores Efeitos Visuais
Ex Machina

Melhor Elenco
Spotlight

Melhor Filme de Animação
Inside Out

Melhor Documentário
Amy

Melhor Jovem Intérprete
Jacob Tremblay em Room

Vencedor do passatempo A Juventude

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Lista dos pré-nomeados ao Óscar 2016 de Melhor Filme Estrangeiro


A Academia revelou a lista de nove pré-nomeados ao Óscar 2016 de Melhor Filme Estrangeiro. Um comité composto por membros da Academia em Los Angeles assistiu a todas as submissões à categoria, elegendo seis escolhas favoritas. Um comité executivo adicional elegeu mais três. Numa categoria, normalmente imprevisível, são notórias algumas ausências: caso de Que Horas Ela Volta? (Brasil), Goodnight Mommy (Áustria), El club (Chile) ou The Assassin (Hong Kong). Portugal volta a ficar de fora, com trinta e duas submissões à categoria, sem qualquer nomeação. Este ano, o escolhido foi As Mil e Uma Noites: Volume 2, O Desolado.

  • The Brand New Testament, de Jaco Van Dormael (Bélgica)
  • Embrace of the Serpent, de Ciro Guerra (Colômbia)
  • A War, de Tobias Lindholm (Dinamarca)
  • The Fencer, de Klaus Härö (Finlândia)
  • Mustang, de Deniz Gamze Ergüven (França)
  • Labyrinth of Lies, de Giulio Ricciarelli (Alemanha)
  • Son of Saul, de László Nemes (Hungria)
  • Viva, de Paddy Breathnach (Irlanda)
  • Theeb, de Naji Abu Nowar (Jordânia)


Agora estes nove pré-nomeados serão visualizados por comités convidados e que acabarão por eleger os cinco nomeados, conhecidos a 14 de Janeiro de 2016.

Tom McCarthy e "Spotlight" vencem prémios 2015 da Las Vegas Film Critics Society


Os críticos de Las Vegas premiaram Spotlight como o Melhor Filme de 2015, com Tom McCarthy a vencer como Melhor Realizador. O filme foi premiado ainda como Melhor Elenco e Melhor Argumento Original. Já Mad Max: Fury Road recebeu cinco prémios, incluindo Melhor Montagem e Melhor Filme de Acção.

Top 10
  1. Spotlight
  2. Creed
  3. Ex Machina
  4. Straight Outta Compton
  5. Beasts of No Nation
  6. The Martian
  7. Mad Max: Fury Road
  8. Sicario
  9. Legend
10. Room

Melhor Filme
Spotlight

Melhor Realizador
Tom McCarthy por Spotlight

Melhor Elenco
Spotlight

Melhor Actor
Leonardo DiCaprio em The Revenant

Melhor Actriz
Brie Larson em Room

Melhor Argumento Original
Tom McCarthy e Josh Singer por Spotlight

Melhor Argumento Adaptado
Drew Goddard por The Martian

Melhor Fotografia
Emmanuel Lubezki por The Revenant

Melhor Montagem
Margaret Sixel por Mad Max: Fury Road

Melhor Guarda-Roupa
Jenny Beavan por Mad Max: Fury Road

Melhor Filme Estrangeiro
Goodnight Mommy (Áustria)

Melhor Direcção Artística
Irene O'Brien e Robert Parle por Brooklyn

Melhor Actriz Secundária
Elizabeth Banks em Love and Mercy

Melhores Efeitos Visuais
Mad Max: Fury Road

Melhor Filme de Terror/Ficção-Científica
Ex Machina

Melhor Filme de Animação
Inside Out

Melhor Filme Familiar
Cinderella

Melhor Documentário
Going Clear - Scientology and the Prison of Belief

Melhor Comédia
Trainwreck

Melhor Filme de Acção
Mad Max: Fury Road

Melhor Jovem
Jacob Tremblay em Room

Realizador Revelação
Alex Garland por Ex Machina

Melhor Banda Sonora
Ennio Morricone por The Hateful Eight

Melhor Canção
"See You Again", de Furious 7

Melhor Actor Secundário
Sylvester Stallone em Creed

Star Wars - Episódio VII: O Despertar da Força, por Walter Neto


Título original: Star Wars: The Force Awakens (2015)
Realização: J.J. Abrams
Argumento: Lawrence Kasdan, J.J. Abrams, Michael Arndt
“A psique humana é essencialmente a mesma, em todo o mundo. A psique é a experiência interior do corpo humano, que é essencialmente o mesmo para todos os seres humanos, com os mesmos órgãos, os mesmos instintos, os mesmos impulsos, os mesmos conflitos, os mesmos medos.”
Joseph Campbell em O Poder Do Mito

Pouco importa se você tenha nascido em uma vila europeia, ou em algum lugar dos trópicos, ainda que as diferenças culturais existam e sejam muitas, em todos os três casos sofremos as mesmas experiências comuns a condição humana: nascimento, aprendizagem, construção do “Eu”, descoberta sexual, dor, alegria e por fim, a morte. E é em cima dessas semelhanças que a narrativa do mito se constrói- ou seja, da análise de elementos comuns e que se repetem. E ainda, de como eles poderiam ser organizados. Este, talvez, seja o segredo, ou um deles, por trás do sucesso da saga Star Wars – Guerra nas Estrelas, agora em seu sétimo capítulo, o ótimo O Despertar da Força, de J.J. Abrams. A série se estrutura claramente em cima da ideia da jornada do herói/mito para narrar as histórias de um universo tão plural, seja em planetas ou formas de vida, e na dicotomia entre bem e mal, moral e imoral; representados pelo constante combate entre a Força e seu próprio lado negro. Dualidade comum a qualquer um de nós.

Ora, é exatamente isso que o antropólogo Joseph Campbell abordou em suas teorias: a dificuldade de se estabelecer um equilíbrio entre o nosso lado da luz e o lado sombrio, entre a capacidade de uma mesma pessoa fazer o bem e o mal. E a jornada que nos levaria a fazer tais escolhas. Este é o principal ponto positivo do novo elemento da franquia, entre meio a muitas homenagens ao material clássico, Abrams consegue desenvolver seus personagens e seus conflitos de uma forma que o criador daquele universo, George Lucas teve alguma dificuldade. Principalmente, na questionável trilogia que serve de prequela para a série clássica: A Ameaça Fantasma (1999), O Ataque dos Clones (2002) e A Vingança dos Sith (2005), na qual, os personagens escolhem entre um “bem” e um “mal” muito demarcados e nada na narrativa parece ser forte o suficiente para justificar a sua escolha.

Como o filme de Abrams usa e abusa de referências aos filmes anteriores é impossível não comparar O Despertar da Força com seus antecessores. O primeiro ato do filme se preocupa em homenagear e quase recriar planos do Uma Nova Esperança (1977). Se o filme de Lucas já começa com a Princesa Leia (Carrie Fisher), pedindo socorro através de uma mensagem enviada pelo robô R2D2 e ainda nos primeiros minutos de projeção, sendo capturada por Darth Vader, que surge ocupando todo o plano e já se apresentando, não apenas como o antagonista, mas mostrando toda sua obsessão por controle e poder; o filme de Abrams começa com o piloto Poe Dameron (Oscar Isaac) em uma missão para a resistência, procurando pistas sobre o paradeiro de Luke Skywalker (Mark Hemill) e após esconder a chave para encontra-lo em seu robô BB-8, durante uma tentativa de fuga, ele é capturado por Kylo Ren (um maravilhosos Adam Driver, que em poucas cenas sem sua máscara, constrói um personagem extremamente complexo e dividido, cuja vestimenta é uma clara referência a de Vader.). Por falar em referências, Abrams em determinado momento, surpreende ao construir uma clara rima visual com uma cena de Apocalypse Now (1979).   

Apocalypse Now, 1979 & The Force Awakens, 2015

Os paralelos entre o filme de Abrams e a trilogia original são muitos e talvez este seja o ponto negativo da franquia, não confiar apenas em sua narrativa para remeter ao material canónico, mas ter que criar constantes referências aos filmes clássicos constantemente.

A New Hope, 1977 & The Force Awakens, 2015

Basicamente, em O Despertar da Força, 30 anos após a destruição do Império Galáctico, uma nova força surge, a Primeira Ordem, que pretende continuar o trabalho iniciado e não concluído por Vader. Em meio ao fanatismo e obediência cega de seus seguidores que acreditam que tudo o que fazem é para um bem maior – outro paralelo com a realidade, neste caso com governos ditatoriais; conhecemos Finn (John Boyega) um stormtrooper que que recusa a obedecer a ordem de matar inocentes que estavam em uma vila atacada por Kylo e deserta. Boyega se mostra competente em construir um personagem que descobre para que recebera todo seu treinamento e ao ver os horrores da sua ordem, foge, mas não sabe ao certo o que fazer com sua vida. É ele também o responsável por muitos dos momentos cómicos do filme, que foram escritos com competência pelos roteiristas, o próprio Abrams e Lawrence Kasdan, que funcionam como um alívio para o público em uma trama claramente mais pesada e violenta que a dos filmes originais.

Para fechar o triângulo de protagonistas temos a jovem catadora de lixo Rey (Daisy Ridley) que não se lembra de seu próprio passado e descobre possuir em si a Força que até então, acreditava ser apenas histórias contadas pelos mais velhos. Toda a evolução da personagem lembra muito, novamente, o Uma Nova Esperança e a jornada de Luke. E é com seu novo trio de protagonistas, que em parte mais avançada da sua narrativa, O Despertar da Força consiga romper com a obrigação de ser apenas uma homenagem e se mostre como um filme que se sustenta sozinho.

Se Luke, na trilogia clássica, e Anakin, nas prequelas, são atraídos constantemente pelo lado negro da Força; não é um acaso que os dois personagens comecem sua respectiva narrativa num deserto – o mito cristão coloca a passagem de Jesus Cristo pelo deserto e a tentação feita a ele por um demónio como um dos momentos mais importantes de sua história. Mas Kyle já inicia sua narrativa completamente inserido no lado negro, ainda que seja atraído pelo lado da Luz da Força. É uma inversão e um acréscimo extremamente bem-vindo a franquia. E nesses momentos de apropriação e recriação que fazem o filme de Abrams ser tão bom e eficiente.

Basicamente vemos em Kylo e Rey, um novo Luke e Leia. Voltamos, então, ao ciclo do mito/herói criado por Campbell. Para ele, o herói passa por doze passos na sua jornada de descoberta e auto-conhecimento, senso a jornada dividida em três momentos principais: partida, iniciação e retorno.


Rey , por exemplo, não se lembra de seu passado, mas vive presa em seu planeta, esperando o retorno de uma família que ela não conhece ao certo. Graças ao seu encontro com BB-8 ela é chamada à aventura e ao seu destino, o que inicialmente é recusado e só após encontrar seu mentor, um velho Han Solo (Harrison Ford) ela rompe com seu mundo e embarca, ainda que relutante em sua missão. Durante sua jornada, encontra em Finn um parceiro e vê em seu confronto final com Kylo – uma sequência de luta com sabres de luz de deixar para trás qualquer filme clássico da série, um motivo para aceitar seu papel na Força e já transformada levar o público a resolução do mistério: onde está Luke Skywalker.

O saldo final não poderia ser mais positivo, para fãs antigos e para aqueles que ainda engatinham no universo criado por George Lucas, mantendo um ritmo constante e crescente até seu ato final, sua melhor parte por se distanciar mais do tom de homenagem e consegue funcionar como um filme independente do universo no qual está inserido, ele funciona além do cânone da franquia da qual faz parte. E o universo criado por Lucas agradece o fôlego novo recebido pelo seu sétimo episódio.


Classificação:

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

TNT cancela "Legends", "Agent X" e "Public Morals"; renova "The Librarians" e "Major Crimes"


O canal TNT anunciou o cancelamento de três das suas séries. Legends termina com duas temporadas de vinte episódios. A segunda temporada da série encontra-se ainda em exibição, com a média de 620 mil espectadores: números abaixo dos conquistados pela temporada anterior, que rondavam os 1,8 milhões de espectadores.

Agent X acaba também cancelada com uma temporada produzida e com os episódios ainda em exibição: a série tem registado a média de um milhão de espectadores. Na série, Sharon Stone é uma senadora que se torna a primeira vice-presidente mulher dos EUA. Public Morals, que acompanha os trabalhos da polícia de Nova Iorque no combate ao crime, em 1967, chega também ao fim. Com dez episódios, a série chegou apenas a cerca de 880 mil espectadores.

Por outro lado, o canal optou por dar continuidade a The Librarians, série adaptada da trilogia cinematográfica. Com a sua segunda temporada em exibição, a série tem registado a média de 2 milhões de espectadores ao vivo - números bem abaixo dos 3,78 milhões da primeira temporada. A série receberá uma terceira temporada, com vista à sua estreia em 2016.

Entretanto, o canal confirmou ainda a renovação de Major Crimes, para uma quinta temporada. A actriz Kearran Giovanni já tinha feito a revelação, através do Twitter, em Novembro. Spin off de The Closer, a quarta temporada da série foi vista, em média, por 3,73 milhões de espectadores.

"Mad Max: Fury Road" é o preferido dos críticos de Chicago


O filme Mad Max: Fury Road foi o preferido da crítica de Chicago. A Chicago Film Critics Association atribui-lhe galardões nas categorias de Melhor Filme, Melhor Realizador, Melhor Design de Produção, Melhor Montagem e Melhor Fotografia. Room venceu ainda nas categorias de Melhor Actriz e Intérprete Mais Promissor.

Melhor Filme
Mad Max: Fury Road

Melhor Realizador
George Miller por Mad Max: Fury Road

Melhor Actriz
Brie Larson em Room

Melhor Actor
Leonardo DiCaprio em The Revenant

Melhor Filme de Animação
Inside Out

Melhor Documentário
Amy

Melhor Filme Estrangeiro
Son of Saul (Hungria)

Melhor Actriz Secundária
Alicia Vikander em Ex Machina

Melhor Fotografia
Mad Max: Fury Road

Melhor Montagem
Mad Max: Fury Road

Melhor Design de Produção
Mad Max: Fury Road

Melhor Banda Sonora
The Hateful Eight

Melhor Actor Secundário
Benicio Del Toro em Sicario

Intérprete Mais Promissor
Jacob Tremblay em Room

Melhor Argumento Original
Spotlight

Melhor Argumento Adaptado
The Big Short

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Estreias 17 Dez'15: Star Wars: The Force Awakens; Lolo, Pourquoi j'ai pas mangé mon père e Bajirao Mastani

Dia 17 de Dezembro, pode contar com as seguintes estreias numa sala de cinema perto de si:

Destaques:

  Star Wars: O Despertar da Força (Star Wars: The Force Awakens)
Ano: 2015
Realização: 
Argumento:  , , Michael Arndt
Trinta anos depois da vitória da Aliança Rebelde sobre o Império Galáctico, e da celebração final entre Ewoks e Jedi, a saga Star Wars regressa com secretismo, um novo elenco e as referências Han Solo, Leia Organa, Chewbacca, R2-D2, C-3PO e Luke Skywalker. Após a queda do Império de Palpatine e Vader, terá surgido um novo grupo, a First Order, da qual fará parte o conflituoso e instável Kylo Ren (Adam Driver) e continua a existir oposição na galáxia muito, muito distante, uma Resistência - da qual faz parte o piloto Poe Dameron (Oscar Isaac). Duas jovens figuras surgem como centrais – Finn (John Boyega), um stormtrooper, e a respigadora do planeta deserto Jakku, Rey (Daisy Ridley) – e há um novo dróide de mira apontada directamente para o público juvenil: o redondo BB-8.

Outras sugestões:

Lolo (Lolo)

Ano: 2015
Realização:
Argumento: ,
Género: Comédia
Elenco:  , ,

Violette (Julie Delpy), de 40 anos, trabalha em Paris (França), no sofisticado mundo da moda. Um dia, numa viagem de férias com a sua melhor amiga, conhece Jean René (Danny Boon), um homem simples e de bom coração. Apesar de oriundos de mundos distintos e das suas personalidades tão díspares, entre os dois nasce uma paixão inesperada. É assim que, após as férias que os juntaram, ele a segue para Paris, para um fim-de-semana prolongado onde poderão conhecer-se mais intimamente. Porém, para que a felicidade total seja possível, o amor de ambos terá de derrotar um adversário à altura: os ciúmes de Lolo (Vincent Lacoste), o filho adolescente de Violette, que está disposto a tudo para não perder a relação de exclusividade a que toda a vida fora habituado... Estreado no Festival de Cinema de Veneza, uma comédia com assinatura da actriz e realizadora Julie Delpy (“2 Dias em Paris”, “O Verão do Skylab”).


Muito à Frente (Pourquoi j'ai pas mangé mon père)

Ano: 2015
Realização:
Argumento: , Fred Fougea, Victor Mayence, Pierre Ponce, John R. Smith
Género: Animação

Pleistoceno (há entre 2,58 milhões e 700.000 anos). Eduardo é um símio de aparência diferente dos da sua espécie. Esta diferença fez com que tivesse sido abandonado pela própria família, que o achou demasiado frágil para sobreviver à difícil existência nómada da sua tribo. A sua sorte mudou quando Ian, um macaco grande e generoso, o decide resgatar e cuidar dele. E é assim que, com o passar dos anos, e apesar do seu aspecto franzino, Eduardo se revela extraordinariamente inteligente. A sua mente brilhante e a capacidade de superar obstáculos vão conquistar o respeito e a admiração de todos os que consigo partilham a existência… Adaptação da obra “The Evolution Man or how I Ate My Father” escrita, em 1960, pelo inglês Roy Lewis, um filme animado que marca a estreia na realização do actor Jamel Debbouze (conhecido pelos seus papéis em “O Fabuloso Destino de Amélie”, “Astérix e Obélix: Missão Cleópatra” ou “Galinha com Ameixas”). Na versão original francesa, “Muito à Frente” conta com as vozes de Debbouze e de Mélissa Theuriau. Nuno Markl e Ana Galvão emprestam as suas vozes à versão portuguesa.

Bajirao Mastani (Bajirao Mastani)

Ano: 2015
Realização:
Argumento:
Género: Guerra, Romance
Elenco: , ,

Na Índia do Séc. XVI, a história do heróico e destemido guerreiro Bajirao Ballal e do seu amor impossível pela princesa Mastani, torna-se numa lenda que se perpetuou até à atualidade.
Sinopses: Cinecartaz Público

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

"Wayward Pines" terá (afinal) uma segunda temporada


Inicialmente prevista como minissérie, Wayward Pines terá afinal uma segunda temporada. A notícia chega meses depois do canal FOX ter confirmado que esta não seria renovada. Contudo, em entrevistas posteriores, M. Night Shyamalan referiu que um renovação dependeria do seu interesse em continuar a história.

Durante a primeira temporada, a série atingiu a média de 9,4 milhões de espectadores, somando a audiência do DVR e outras plataformas. Na segunda temporada, Chad Hodge será substituído por Mark Friedman (The Forgotten) como showrunner. A narrativa acompanhará a vida de uma nova personagem que chega à cidade, onde ocorre uma nova rebelião e levando os residentes a lutarem para preservar a raça humana.

Foram encomendados dez episódios para a segunda temporada de Wayward Pines, que deverá estrear na summer season de 2016.