terça-feira, 29 de maio de 2012

Cannes 2012: Dia 11 e 12


Embora já com os galardões entregues, não queríamos deixar em suspenso a cobertura dos dois últimos dias do Festival de Cannes 2012. A competição do décimo primeiro dia fez-se notar com Mud, de Jeff Nichols que concorria pela primeira vez à Palma de Ouro (e com apenas a sua terceira longa-metragem), depois de ter na Semana da Crítica em 2011 com Take Shelter. Este foi um dos filmes mais consensuais e unânimes na apreciação positiva por parte da crítica que considera que evoca "Mark Twain e seus heróis, Tom Sawyer e Huckleberry Finn", optando por um "estilo visual mais simples, poderosamente evocativo, ligeiramente poético e que extrai a essência do seu elenco". Um filme que "recupera o imaginário americano".


O coreano Sang-soo Im também competiu, com um morno The Taste of Money, que alguma crítica considerou que nos leva "para o pior das soaps americanas", "um filme banal e um conto amoral que não é mais do que um mau combinado de sexo, relações de poder e interesses telenovelescos", sendo que o realizador "tenta novamente e sem grande inspiração, mas de forma cínica, escalpelizar os podres dos poderosos e da corrupta sociedade coreana", através de "uma variação de The Housemaid".

O décimo segundo e último dia do certame terminou com Thérèse Desqueyroux, último filme realizado pelo recentemente falecido cineasta Claude Miller. O trabalho foi recebido sem grande entusiasmo, havendo quem considere que "não é o drama de época com nuances que deveria ser, mas sim um banal, pseudo-intelectual e monótono episódio de Masterpiece Theater". Apesar de assumirem que não é um grande filme, há quem o considere um "respeitável e empático epitáfio da carreira de Miller".

Os vencedores do certame oficial podem ser consultados aqui.

Sem comentários:

Publicar um comentário