domingo, 17 de fevereiro de 2013

Fantasporto 2013: Os destaques (I)


Como tem sido frequente nos últimos anos, antecipamos alguns dos nossos destaques pessoais para a próxima edição do Fantasporto, a qual merecerá uma cobertura intensiva e diária por parte do Split Screen. Para ajudar os nossos leitores na selecção dos filmes a não perder. O Fantasporto 2013 decorrerá de 25 de Fevereiro a 10 de Março.

Filme oficial de abertura do Fantasporto 2013, a história não desconhecida do habitual frequentador do festival portuense. Afinal é adaptado da curta-metragem homónima que foi exibida na edição de 2008, um filme sobre duas irmãs assombradas pelo "amor eterno" da mãe. A longa-metragem é produzida por Guillermo del Toro e volta a ter o jovem Andrès Muschietti na realização, a seguir a história de duas crianças abandonadas numa cabana na floresta, protegidas por uma entidade desconhecida a quem chamam mãe e que eventualmente as segue para a sua nova casa nos subúrbios, depois de um tio as retirar de lá. Protagonizado por Jessica Chastain e Nikolaj Coster-Waldau.

Vencedor do prémio do público no Festival de Sitges 2012 e do prémio Alfred P. Sloan (que premeia os melhores filmes de temática relacionada com ciência e tecnologia em Sundance 2012), Robot & Frank centra-se num velho ladrão de jóias que à medida que envelhece, começa a perder a memória. Com a narrativa a situar-se num futuro próximo, a história continua com o seu filho a oferecer ao seu pai um robô para ajudar a tratar de si e da casa. Protagonizado por Frank Langella, o filme encerrará o festival.

Esta reposição em sala do clássico de animação checoslovaco é repleta de novidades. Vencedor do Prémio Especial do Festival de Cannes 1973, o filme de ficção científica celebra quarenta anos desde a sua estreia e para a comemoração será o filme de estreia do período pré-Fantas (semana anterior à competição). Para tal, a exibição do filme far-se-á acompanhar com uma banda sonora tocada ao vivo e criada pelos Beautify Junkyards, banda criada por ex-elementos dos Hipnótica.

A retrospectiva à dupla britânica começa com a exibição de um clássico do cinema, em cópia restaurada, numa inédita sessão dupla de abertura (conjuntamente com a exibição do já referido Mama). Oportunidade única para assistir em grande ecrã à história de uma jovem bailarina dividida entre o homem que ama e o seu sonho em se tornar uma bailarina reconhecida. O filme venceu dois Óscares em 1949: Melhor Direcção Artística e Melhor Música.

Adaptação do popular videojogo da Nintendo DS, Ace Attorney: Phoenix Wright, baseado no segundo e quarto caso da história, com Hiroki Narimiya (Azumi) no papel de Phoenix Wright, um advogado de defesa famoso por dar a volta a casos dados como perdidos. Já Takumi Saitô (RoboGeisha) será o rival Miles Edgeworth e Mirei Kiritani, a assistente de Wright, Maya Fey. Um regresso do cineasta japonês ao festival portuense (e também da secção Orient Express, depois de um interregno), onde já exibiu vários dos seus filmes e onde foi premiado, entre outros galardões, com uma menção especial por Audition (1999).

After (2012), de Ryan Smith
De produção norte-americana, After é um thriller sobre dois sobreviventes de um acidente de autocarro que descobrem ser as únicas pessoas deixadas numa pequena cidade. À medida que estranhos eventos começam a acontecer, acabam por ter que se aliar para desvendar a verdade por detrás do seu isolamento. Estreado no Toronto After Dark Film Festival 2012.

Uma das mais interessantes apostas do festival e do cinema britânico contemporâneo, o filme  segue o trabalho de um engenheiro de som para um filme de terror de um estúdio de cinema italiano. Filme tenso que segue a linha narrativa de vida a imitar arte, beneficia de um trabalho incrível de design de som, com protagonismo de Toby Jones. Vencedor de quatro prémios nos British Independent Film Awards 2012.

Thriller italiano, mas de língua inglesa, Closed Circuit baseia-se no conceito de found footage para narrar a história do desaparecimento misterioso de uma jovem de 23 anos. Aí um jovem casal arromba a casa de um homem, suspeito de ser um assassino em série e instala câmaras de vídeo para gravar os seus crimes.

Comédia romântica de ficção-científica, o filme de tão sugestivo nome segue as aventuras de lésbicas aliens no planeta Terra e o romance entre uma trabalhadora de uma empresa de cartões de agradecimento e uma mulher de outro planeta. Em 2011, os Gotham Awards nomearam esta produção como um dos melhores filmes que não conseguiram estrear em sala.

Forgotten (2012), de Alex Schmidt
Da Alemanha chega a história de duas amigas de infância que, durante umas férias numa ilha, são assombradas por fantasmas do seu passado. O filme é uma produção estilizada a fazer recordar o cinema de terror clássico, pela sua atmosfera tensa. Integrado na competição oficial de cinema fantástico.

Co-produção portuguesa da Fado Filmes e Luís Galvão Teles, que passou pelos Festivais de Toronto e de Sitges. O filme é ambientado na Catalunha, centrando-se em dois tempos distintos: começa durante a Guerra Civil de Espanha até aos anos 60, numa instituição que tenta reabilitar crianças que não sentem a dor, por lhes ensinar o sofrimento físico; e depois no tempo presente, onde um brilhante neurocirurgião que necessita de um transplante de medula óssea, descobre o seu passado negro quando procura os seus pais biológicos. Vencedor do Méliès de Prata no Festival Europeu de Cinema Fantástico de Estrasburgo 2012.

Comédia de acção sci-fi que venceu o prémio Méliès de Ouro no Festival de Cinema Fantástico de Bruxelas (onde recebeu também o prémio do público). O filme segue uma base secreta de nazis, no lado negro da lua em 1945, onde se escondem com os seus planos de regressar para recuperar o poder na Terra, em 2018. Vencedor do prémio de Melhores Efeitos Visuais nos prémios da Academia de Cinema Australiana 2013.

[Continua...]

Sem comentários:

Publicar um comentário