quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Trailer e poster de "Star Wars: The Last Jedi"


Foi revelado o poster e trailer de Star Wars: The Last Jedi, novo filme da franquia realizado por Rian Johnson (Looper):


Enquanto que em Star Wars: The Force Awakens, o filme A New Hope (1977) foi claramente uma influência, parece que nesta prequela o realizador terá tido oportunidade de seguir por uma via mais original e que conduza a história a novos rumos.

Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi estreia em Portugal a 14 de Dezembro.

domingo, 8 de outubro de 2017

Mark Webber mistura ficção e realidade em "Flesh and Blood"


O actor Mark Webber (Green Room) estrou no SXSW 2017 o seu mais recente filme, Flesh and Blood:


No papel de actor, argumentista e realizador conta a história da sua prórpria família, com o elenco a incluir elementos da sua família, como o seu irmão mais novo Guillermo Santos (que sofre de Síndrome de Asperger) e pai deste, assim como a sua própria mãe, Cheri Honkala, activista anti-pobreza e candidata do Green Party à vice-presidência norte-americana em 2012.

Com estreia prevista para o Outono nos Estados Unidos.

sábado, 7 de outubro de 2017

Trailer da série da Amazon, "Philip K. Dick’s Electric Dreams"


Philip K. Dick é um dos escritores de ficção-científica mais influentes e prolíficos. Philip K. Dick's Electric Dreams será a nova série antológica da Amazon, ao género de Black Mirror, com cada capítulo inspirado num conto do autor norte-americano (The Man in the High Castle, Blade Runner).


Ao elenco juntam-se estrelas como Steve Buscemi (Boardwalk Empire), Timothy Spall (Mr. Turner), Bryan Cranston (Breaking Bad), Julia Davis (Nighty Night) e Geraldine Chaplin (Chaplin). Na direcção estão nomes como Dee Rees (Pariah), Alan Taylor (Thor: The Dark World) e Julian Jarrold (Brideshead Revisited).

Philip K. Dick's Electric Dreams tem estreia prevista para 2018.

Trailer de "Pacific Rim: Uprising"


Foi finalmente revelado o primeiro trailer de Pacific Rim: Uprising, sequela do filme de Guillermo del Toro:


O realizador escolhido para a tarefa foi Steven S. DeKnight, produtor executivo de séries como Spartacus e Daredevil. No filme seguiremos uma nova geração de pilotos Jaeger, dez anos após os eventos do filme de 2013. John Boyega interpreta o papel do filho de Stacker Pentecost (Idris Elba), que contracena com Rinko Kikuchi.

Pacific Rim: Uprising estreia em Portugal a 5 de Abril de 2018.

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

A Rainha de Espanha, por Carlos Antunes



Título original: La reina de España
Realização: Fernando Trueba
Argumento: Fernando Trueba
Elenco: Penélope Cruz, Cary Elwes, Mandy PatinkinJavier Cámara


Esta é a sequela d' A Menina dos Teus Olhos, o último filme de Fernando Trueba a estrear comercialmente entre nós, não contando com a obra-prima Chico y Rita que outro Cine Fiesta mostrou.
Não há que conhecer o filme com quase vinte anos para ir ver este, embora ajude a perceber que o realizador continua a fazer cinema sobre as referências passadas que lhe dão prazer.
Era uma abordagem ainda surpreendente no final dos anos 1990, sobretudo num filme sobre a própria indústria que corria o melodrama para falar de questões políticas.
Tal como foi ainda uma abordagem refrescante no filme que realizou com Tono Errando e Javier Mariscal em que a animação lhe trazia possibilidades extraordinárias devidamente aproveitadas.
A Rainha de Espanha volta a tentar equilibrar o estado de um cinema tendencialmente patético com a questão social que faz duvidar da pertinência de tal indústria. Trata-se do mesmo filme que Trueba já havia feito mas desprovido de real tensão dramática.
Mesmo para aqueles que descobrem Macarena Granada (Penélope Cruz) pela primeira vez, o filme mostrar-se-á oco, precisamente no lugar onde deveria ter toda a sua intensidade.
Há uma magnífica recriação de elementos de época dentro do cenário de uma mega-produção sob o jugo Franquista. De tal maneira realista, sublinha a artificialidade de diversas componentes da imagem de grandiosidade que o cinema tentava passar na tela.
Dentro desse cenário passa-se a trama maior, a da filmagem de um épico sobre Isabel I com produção americana e dinheiro do General Franco que é o ponto de encontro dos que conspiram para se opôr ao ditador e salvar Blas Fontiveros, o realizador de La Niña de tus ojos entretanto caído em desgraça pelas suas convicções.
A par dessas muitas outras tramas menores decorrem, cada uma traçando um retrato da colorida vida de Hollywood ou da cinzenta realidade espanhola que ela veio afectar.
Um argumentista comunista proscrito que faz Macarena ver que o seu Método pouco importa perante um argumento que era sobre Colombo antes do dinheiro de Franco o transformar naquela farsa nacionalista.
A estrela máscula de Hollywood seduz abertamente um actor espanhol que para chorar tem de apertar um testículo
Tudo isto sob a supervisão de um realizador muito experiente mas no ocaso da sua vida, que não resiste a dormir na cadeira - uma caricatura de John Ford levada até à pala e que este não merece.
São retratos de uma forma de fazer cinema que já não existe e que apesar das suas muitas incoerências levava à criação de algumas obras-primas, além de muitas outras películas que ainda merecem a mística que lhes aplicamos hoje em dia.
Só que a presença americana não chega a causar confronto com Espanha, ela própria, pois aquela gente do cinema não chega a sair à rua.
Toda a despesa fica a cargo da trupe espanhola que se lança ao salvamento do antigo colega de filmagens preso num campo de trabalhos forçados onde os captores o tentam matar - por motivos que o filme mal explora e que não importam à trama.
Trama, o que o filme menos tem, solavacando por situações que se contentam em terminar no gag sem perseguirem a importância que deveriam ter numa visão mais lata da história daqueles personagens.
Fossem as piadas - mesmo as poucas que resultam - dirigidas a uma condenação da permissividade política da época e, mesmo que relutante, haveria brandura para as lentas duas horas do filme.
Quando Franco finalmente aparece não tem capacidade de se mostrar como o vilão capaz de ensombrar a vida de um país inteiro.
A alternativa passava pela vingança pelo ridículo. Estranhamente, Trueba não arrisca caricaturá-lo como fizera a Joseph Goebbels n' A Menina dos Teus Olhos.
O que antes era a mistura de amor ao Cinema e o sentido crítico dos termos em que este era feito é agora matéria de humor fácil a que o realizador parece obrigado a regressar.
O filme carece de gravitas, mesmo que expressa por um humor confrontacional. O sinal mais claro disso vem de uma piada envolvendo sodomia.
Trata-se de uma violação, explícita ainda que invisível no ecrã, à qual o público deve ser relativamente indiferente pois passa-se com um homem latino, sinónimo de um pouco homofóbico - apesar de trabalhar com dois homossexuais casados por conveniência.
Passar a noção de que a sexualidade era uma moeda de troca como qualquer outra perante a perspectiva de uma carreira em Hollywood não é um problema. Que tal aconteça sem consentimento do interessado e muito menos com uma concreta recompensa dele (embora tal não viesse amenizar essa realidade) é que se mostra como sinal de que o espírito desta sequela se limita ao humor de grande público e não ao da relevância do discurso sobre o amor ao cinema com um olhar crítico trazido pela distância temporal.
Apesar de falar da década de 1950, este é um filme sem sentido de urgência. Irrelevante na demonstração histórica dos muitos problemas de fazer cinema entre Hollywood e a Europa naquela época.
O seu sucesso só poderá vir da sua estrela, uma Penélope Cruz que parece imbuída do espírito da star que representa. Incapaz de envelhecer mas capaz de actuar de forma brilhante mesmo no seio do absurdismo.
Mesmo que o filme não tenha conseguido justificar o título de "rainha de Espanha" no momento em que se encerra com o iris shot do rosto de Macarena que é já Penélope aos nossos olhos.




quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Review: Please Like Me - Temporada 1

Por Joaquim Silva.

"You know that I'm greedy for love."


A adolescência é difícil. A puberdade manifesta-se, as hormonas tomam conta do físico e, sem que nada possa ser feito, alteram para sempre o psicológico. Sim, o plano de existência superior, metafísico, transcendente, aquele que atribuímos à personalidade, à cognição, ao zodíaco, enfim, a tudo menos às hormonas, é inquestionavelmente moldado (também) por elas. Mas e depois, quando se entra na idade adulta? Temos tudo resolvido ou a vida cada vez se complica mais?

Please Like Me aborda a vida de Josh, um jovem de 20 anos, que, pelo que se percebe, não estuda nem trabalha, mantém uma relação com Claire, é o melhor amigo de Tom e não gosta da namorada deste, Niamh. Abruptamente, Claire tem a epifania que Josh é gay, acaba com ele e destrói o seu pequeno mundo de tudo simples.

Ancorada numa formula simples, mas (extremamente) eficaz de comédia moderna, sem faixas de riso e sem situações inconcebíveis ao comum mortal, Please Like Me explora a redescoberta de Josh da sua vida, do ambiente que o rodeia, dos seus sentimentos em relação ao divórcio dos pais e tentativas de suícidio da mãe, e mais que tudo, das suas próprias necessidades de aceitação. É uma insuportavelmente leve e adequada metáfora da condição humana mais elementar: a vida em grupo. Josh revela-se um jovem emocionalmente fragilizado, infantil por vezes, e ingénuo ao efeito que a sua frieza e distância criam nos que o rodeiam - insegurança e exclusão. Assim, na sua busca pelo seu lugar, Josh acaba por forçar todos a repensarem os seus, desde Tom (que não consegue terminar com Niamh), a Geoffrey (o "namorado" demasiado bem resolvido de Josh), até Rose e Adam.

Apesar da sua orientação cómica, Please Like Me também lida com temas sensiveis, como a depressão nos mais velhos, a redefinição da orientação sexual e o processo de coming out - uma das cenas mais despretensiosas é a de Geoffrey a verbalizar que Josh é gay para a sua família, algo que o próprio ainda não havia feito.

Assim, Please Like Me é mais uma série que lida com a descoberta do eu - em todas as vertentes - e da sua influência no ambiente que o rodeia. A expressão de liberdade em Please Like Me é audivelmente muda, pois os limites de cada um são a cada momento manobrados para encaixar o outro, sem que seja necessário denotá-lo - assume-se esse fenómeno como natural.


ABC 2 / Netflix

Temporada 1

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Baby Driver - Alta Velocidade, por Eduardo Antunes

https://splitscreen-blog.blogspot.com/2017/08/baby-driver-alta-velocidade-por-eduardo.html

Título original: Baby Driver (2017)
RealizaçãoEdgar Wright
Argumento: Edgar Wright

Se existe uma palavra que descreva o realizador de filmes tão distintos quanto Shaun of the Dead, Hot Fuzz e Scott Pilgrim vs. the World é a paixão com que se entrega à exploração do tema em que a cada filme se propõe explorar, com uma imaginação e dedicação tamanhas como se vê em tão poucos cineastas hoje em dia, qualidades as quais Edgar Wright volta a demonstrar com Baby Driver.

Valerian e a Cidade dos Mil Planetas, por Eduardo Antunes

https://splitscreen-blog.blogspot.com/2017/08/valerian-e-cidade-dos-mil-planetas-por.html

RealizaçãoLuc Besson
Argumento: Luc Besson

Podemos já confiar em Luc Besson para nos trazer filmes interessantes e estimulantes (visualmente e não só). Apesar do exagero conceptual da premissa do seu último filme Lucy e da forma como abordava de forma leviana alguns dos temas aí presentes, oferecia-nos uma peça de entretenimento como por vezes é difícil de descobrir em muitos "puros" blockbusters  americanos. E é desse mesmo dilema que sofre este filme.