sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Lista das submissões ao Óscar 2016 de Melhor Filme Estrangeiro


Novamente, o Split Screen manterá uma lista actualizada com as submissões oficiais de cada país ao Óscar 2016 de Melhor Filme Estrangeiro. Para esta categoria, cada país poderá apenas indicar um único representante oficial para que este seja depois submetido à apreciação de um grupo especializado da Academia (tendo a obrigatoriedade de ter estreado comercialmente no país de origem entre 1 de Outubro de 2014 e 30 de Setembro de 2015). Esta lista será depois reduzida a nove pré-nomeados e posteriormente a cinco nomeados (o anúncio será feito a 14 de Janeiro). Esses cinco serão votados entre todos os membros da Academia que tiverem visto o total de nomeados na categoria, para a escolha do vencedor.

A cerimónia oficial dos Óscares 2016 decorrerá a 28 de Fevereiro.

[A lista foi actualizada com as informações oficiais da Academia norte-americana de Artes e Ciências Cinematográficas. Oitenta e um países submeteram um filme à consideração, sendo que o Paraguai fê-lo pela primeira vez. Inicialmente, a China submeteu Wolf Totem, mas acabou por mudar a sua escolha no final. Foi divulgado que o Panamá teria submetido o documentário Box 25, mas este não figurou na lista final. O comité de selecção de Cuba decidiu por voto maioritário não enviar um filme aos Óscar. A Ucrânia falhou o prazo para a submissão, mas solicitou uma extensão à Academia. A submissão do Afeganistão acabou por ser desqualificada pela Academia, posteriormente à apresentação da lista oficial: a Academia acabou por considerar que o filme não cumpre a regra que diz que as produções têm de ser maioritariamente faladas noutras línguas que não o inglês.]


  • África do Sul: The Two of Us, de Ernest Nkosi
  • Albânia: Bota, de Iris Elezi e Thomas Logoreci
  • Alemanha: Im Labyrinth des Schweigens, de Giulio Ricciarelli
  • Argélia: Twilight of Shadows, de Mohamed Lakhdar Hamina
  • Argentina: El clan, de Pablo Trapero
  • Austrália: Arrows of the Thunder Dragon, de Greg Sneddon
  • Áustria: Goodnight Mommy, de Severin Fiala, Veronika Franza
  • Bangladesh: Jalal's Story, de Abu Shahed Emon
  • Bélgica: The Brand New Testament, de Jaco Van Dormael
  • Bósnia e Herzegovina: Our Everyday Life, de Ines Tanovic
  • Brasil: Que Horas Ela Volta?, de Anna Mulyaert
  • Bulgária: The Judgement, de Stephan Komandarev
  • Cambodja: The Last Reel, de Sotho Komandarev
  • Canadá: Félix and Meira, de Maxime Giroux
  • Cazaquistão: Stranger, de Ermek Tursunov
  • Chile: El club, de Pablo Larraín
  • China: Go Away Mr. Tumor, de Han Yan
  • Colômbia: El abrazo de la serpiente, de Ciro Guerra
  • Coreia do Sul: The Throne, de Lee Joon-ik
  • Costa do Marfim: Run, de Philippe Lacôte
  • Costa Rica: Imprisoned, de Esteban Ramirez
  • Croácia: The High Sun, de Dalibor Matanic
  • Dinamarca: A War, de Tobias Lindholm
  • Eslováquia: Goat, de Ivan Ostrochovský
  • Eslovénia: The Tree, de Sonja Prosenc
  • Espanha: Loreak, de Jon Garaño, Jose Mari Goenaga
  • Estónia: 1944, de Elmo Nüganen
  • Etiópia: Lamb, de Yared Zeleke
  • Filipinas: Heneral Luna, de Jerrold Tang
  • Finlândia: The Fencer, de Klaus Härö
  • França: Mustang, de Deniz Gamze Ergüven
  • Geórgia: Moira, de Levan Tutberidze
  • Grécia: Xénia, de Panos H. Koutras
  • Guatemala: Ixcanul, de Jayro Bustamante
  • Holanda: The Paradise Suite, de Joost van Ginkel
  • Hong Kong: To the Fore, de Dante Lam
  • Hungria: Saul fia, de László Nemes
  • Islândia: Rams, de Grímur Hákonarson
  • Índia: Court, de Chaitanya Tamhane
  • Irão: Muhammad: The Messenger of God, de Majid Majidi
  • Iraque: Memories on Stone, de Shawkat Amin Korki
  • Irlanda: Viva, de Paddy Breathnach
  • Israel: Baba Joon, de Yuval Delshad
  • Itália: Non essere cattivo de Claudio Caligari
  • Japão: 100 Yen Love, de Masaharu Take
  • Jordânia: Theeb, de Naji Abu Nowar
  • Kosovo: Babai, de Visar Morina
  • Letónia: Modris, de Juris Kursietis
  • Líbano: Void, de Naji Bechara, Jad Beyrouthy, Zeina Makki, Tarek Korkomaz, Christelle Ighniades, Maria Abdel Karim, Salim Haber
  • Lituânia: The Summer of Sangailė, de Alantė Kavaitė
  • Luxemburgo: Baby(a)lone, de Donato Rotunno
  • Macedónia: Honey Night, de Ivo Trajkov
  • Malásia: Men Who Save the World, de Liew Seng Tat
  • Marrocos: Aida, de Driss Mrini
  • México: 600 miles, de Gabriel Ripstein
  • Montenegro: You Carry Me, de Ivona Juka
  • Nepal: Talakjung vs Tulke, de Nischal Basnet
  • Noruega: The Wave, de Roar Uthaug
  • Palestina: The Wanted 18, de Paul Cowan e Amer Shomali
  • Paquistão: Moor, de Jami
  • Paraguai: El tiempo nublado, de Arami Ullon
  • Peru: NN, de Héctor Gálvez
  • Polónia: 11 Minutes, de Jerzy Skolimowski
  • Portugal: As Mil e Uma Noites; Volume 2, O Desolado; de Miguel Gomes
  • Quirguistão: Heavenly Nomadic, de Mirlan Abdykalykov
  • Reino Unido: Under Milk Wood, de Kevin Allen
  • República Checa: Home Care, de Slávek Horák
  • República Dominicana: Dólares de Arena, de Laura Amelia Guzmán e Israel Cárdenas
  • Roménia: Aferim!, de Radu Jude
  • Rússia: Sunstroke, de Nikita Mikhalkov
  • Sérvia: Enclave, de Goran Radovanovic
  • Singapura: 7 Letters, de Royston Tan, Kelvin Tong, Eric Khoo, Jack Neo, Tan Pin Pin, Boo Junfeng, K. Rajagopal
  • Suécia: A Pigeon Sat on a Branch Reflecting on Existence, de Roy Andersson
  • Suíça: Iraqi Odyssey, de Samir
  • Tailândia: How To Win at Checkers (Every Time), de Josh Kim
  • Taiwan: The Assassin, de Hou Hsiao-Hsien
  • Turquia: Sivas, de Kaan Mujdeci
  • Uruguai: A Moonless Night, de German Tejeira
  • Venezuela: Dauna. Lo que lleva el río; de Mario Crespo
  • Vietname: Jackpot, de Dustin Nguyen

Sem comentários:

Publicar um comentário