quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Os Mercenários 2, por Carlos Antunes


Título original: The Expendables 2
Realização: Simon West
Argumento: Richard WenkSylvester Stallone
Elenco: Sylvester StalloneJean-Claude Van DammeBruce WillisArnold Schwarzenegger

Outro Agosto e outro The Expendables no cinema que, perante a falta de alternativas cinematográficas nas zonas afastadas das grandes cidades, fui ver relutantemente embora com uma activa ironia preparando-me para aceitar como divertimento este filme de qualidade duvidosa.
Um filme com direito a estreia em sala mas no qual uma grande parte dos protagonistas está relegada a lançamentos apenas em DVD, pelo que não consideraria descabido um riso (ou um sorriso, pelo menos) perante mais uma carga de violência em grupo.
Parece ter sido o próprio Sylvester Stallone a perceber que essa era a ideia mais esperada pelo público, duas gerações passadas sob o auge - físico e carreirista - da malta que se apresenta no ecrã.
Assim, ao invés da seriedade crente na qualidade nostálgica do primeiro filme, temos direito ao divertimento da reunião filmado e demonstrado perante nós.
Crê-se desde logo nisso quando Jean-Claude Van Damme surge como o vilão (de nome Claude Vilain, nem mais) exagerado cujo plano deve mais às personagens da saga Bond do que a qualquer relação com a realidade geopolítica.
Com o segundo filme chegou o momento de dar aos fãs "nerdy" que sobram aquilo que eles pensavam que tinham ido ver no primeiro filme, acção um contra um entre as figuras que mitificaram na sua juventude. Mas se a luta entre Van Damme e Stallone está bem executada, não chega a tornar-se numa icónica luta para memória futura.
São antes as parcerias sempre de língua afiada que acabam por criar um sentimento de animação que passa da reunião - "Sometimes it's good to run with the pack" diz Chuck Norris - para a acção do grupo e da acção do grupo para o público.
Os comentários trocados entre os protagonistas (sobretudo durante o grande tiroteio do filme) nem sempre primam pela subtileza - mais do que um sobre o "I'll be back" ou o "I'll terminate you" dirigido a Schwarzenegger - mas por vezes funcionam muito bem, seja por Chuck Norris a usar um dos seus Facts para fazer uma piada sobre ter sido mordido por uma cobra ou Jason Statham a dizer a Stallone - num reconhecimento de evolução dos estilos do cinema de acção e, até, passagem de testemunho - que, apesar da idade (e seis Rocky) ele ainda não aprendeu nada de jeito quando chega a altura de lutar.
Tudo isto no meio de uma farta quantidade de cenas de acção feitas da única maneira que esta malta sabe e aceita, o máximo de concretização garantida por eles próprios.
Nesse aspecto, a passagem de testemunho na realização de Stallone para Simon West, permite disfarçar problemas qualitativos que a pesada mão de Stallone para a acção (lembrar, também, Rambo) deixavam à mostra.
Fica servida, com mais qualidade do que o esperado, a base de relançamento para alguns dos presentes que andaram afastados do cinema. Mas a sequela já pensada a este filme começa a tornar-se um excesso que pode vir a ser penoso depois de se descobrir que mais velha estrela desaparecida dos anos 1980 vai ser recuperada.


Sem comentários:

Publicar um comentário