domingo, 14 de junho de 2009

Vizinho Suspeito, por Carlos Antunes


Título original: Lakeview Terrace
Realização: Neil LaBute
Argumento: David Loughery e Howard Korder
Elenco: Samuel L. Jackson, Patrick Wilson e Kerry Washington

Vizinho Suspeito tem duas faces.
A do thriller, tenso até aos limites de possibilidades de confronto entre dois vizinhos em contrabalanço de poder, e a do retrato das incompatibilidades raciais que perduram até mesmo numa cidade - ou neste bairro, mais especificamente - profundamente multi-étnica.


Mas dessas duas faces David Loughery e Howard Korder não conseguem fazer sobressair um filme equilibrado.
O thriller precisava de ser furtivo, mas é brutal nas suas evidências, porque os argumentistas estavam mais interessados em lançar pequenos apontamentos sobre as relações e as perspectivas que se geram em torno no casal composto por Patrick Wilson e Kerry Eashington.
Mas esses apontamentos perdem-se, um pouco desagregados entre si.
Ele não pretendem dar conclusões, apenas lançar a reflexão de uma realidade, mas são esparsos demais.


Aliás, a questão racial, até acaba por ser mais um subtexto subitamente exponenciado, pois Abel (Samuel L. Jackson) não está verdadeiramente incomodado com o "branco" que casou - roubou? - com uma mulher da sua "raça".
A sua motivação é muito mais pessoal, apesar de estar relacionada com isso, como bem se vê na forma como cordialmente socializa com o vizinho asiático ou trabalha com o colega hispânico.


LaBute faz o seu melhor, ou seja, filma com cuidado e consciência de ritmo o crescendo do confronto mas, lá está, não consegue passar para lá das limitações do guião.
A sua vontade de lidar com todas as nuances dos três personagens essenciais - ou não fosse ele primariamente um argumentista e dramaturgo - esbarra na necessidade de contar a história do confronto mais físico que acaba por se gerar.


Acabam por ser as prestações dos actores a elevar a fasquia deste filme desequilibrado, ainda que interessante.
Samuel L. Jackson impõe o medo necessário à sua personagem, uma violência que parece sempre pronta a eclodir do meio daquela carismática cordialidade.
Patrick Wilson mantem-se, quase sem esforço, na submissão a meio caminho entre a vontade de chegar ao entendimento e de afrontar em definitivo a personagem de Samuel L. Jackson.
E Kerry Washington tem uma entrega deliciosa, embora seja a mais discreta entre os três.





Extras

Comentário de Neil LaBute e Kerry Washington - Detalhado e interessado em discutir opções e percepções sobre as cenas e sobre aquilo que foi concretizado, enriquece um segundo visionamento do filme.

Cenas adicionais - Também comentadas, permitem compreender as opções que estiveram por detrás do corte de uma excelente cena e que, de facto, fazem sentido quando percebemos o objectivo disso mesmo. Permite ao espectador envolver-se e discutir as opções.

Detrás das cenas - Conjunto de três pequenos documentários que assim chegam aos 20 minutos. Revelam as ideias fundamentais por detrás da preparação dos cenários e dos papéis dos actores com uma riqueza que não se esperaria de reportagens preparadas para divulgação antecipada do filme.


Sem comentários:

Publicar um comentário