terça-feira, 5 de março de 2019

Capitão Marvel, por Eduardo Antunes


Título originalCaptain Marvel (2019)
RealizaçãoAnna Boden, Ryan Fleck
Argumento: Anna Boden, Ryan Fleck, Geneva Robertson-DworetNicole Perlman, Meg LeFauve

Captain Marvel assemelha-se bastante a um número das bandas desenhadas que está na sua origem. Infelizmente, isso não abona a favor do filme, já que, em detrimento de uma exploração das motivações desta personagem, este filme está mais preocupado com uma narrativa maior baseada no que veio e poderá vir para além de si próprio.

Nestes franchise, é inevitável tecer comparações com os seus congéneres, e na verdade este filme partilha dos mesmos problemas de Ant-Man and the Wasp, tendo demasiadas mãos num argumento que não parece saber exactamente o que fazer com a sua personagem central. Para além disso, certamente não ajudará o contexto do seu lançamento, no rescaldo de Infinity War e na expectativa de Endgame, que tem os fãs na sua generalidade expectantes com o encerramento de uma história com, agora, dez anos de existência em cima.

Ainda assim, não será justo julgar o filme pelos que lhe antecedem e os que lhe sucederão, mas a verdade é que a própria história aproveita-se disso, inclusive na altura em que é lançado, apenas cerca de dois meses antes do quarto filme dedicado aos Vingadores, como que em forma de preparar a personagem de Carol Danvers para quando a virmos mais tarde.
A culpa disto não é certamente da personagem ou da sua história base, mas do facto de pretender ser uma prequela a todo este universo, ao mesmo tempo que uma expansão do mesmo para um futuro (mais ou menos) próximo.
Isso nota-se pelos diversos escritores responsáveis pelo argumento, que se dividem entre os que terão sido certamente escolhidos pelos seus trabalhos mais centrados nas viagens pessoais dos seus protagonistas, e um dos responsáveis pela história de Guardians of the Galaxy, trazido para conciliar ambas as histórias sem criar incongruências.

Desde o início, e tal como os dois primeiros filmes dedicados a Thor, Captain Marvel divide-se entre uma narrativa passada num universo maior, e uma grande parte na Terra. Mas ao contrário dos filmes referidos, é a parte passada na década de 1990 à qual é dada maior desenvolvimento e ponto mais interessante do filme, pelo investimento emocional que aí existe.
Para isso contribui precisamente a maior força do filme, que será a parceria entre as personagens de Brie Larson e Samuel L. Jackson, numa duvidosa e relutante parceria, que se transforma numa profunda amizade chegados ao final do filme. Também uma cena em particular, em que Carol é reunida com a sua melhor amiga (Lashana Lynch), da qual não tem qualquer memória, permite um investimento enorme através da descrição honesta da amizade entre ambas sem necessidade de qualquer flashback.



O problema é que o conflito maior entre as raças ficcionais Skrull e Kree seria também de enorme interesse explorar, depois das pequeníssimas dicas em Guardians of the Galaxy, mas acaba por se ficar por meros clichés que não são totalmente respondidos, mesmo face à afirmação de Fury "War is an universal language". Partilhará toda a raça Kree da filosofia dos denominados Acusadores (dos quais Ronan faz parte)? Serão os Skrulls meros sobreviventes ou uma parte igual na guerra entre estas raças? Nuances lançadas sobre o conflito, que são apenas respondidas com revelações não propriamente merecidas.

Também a investigação sobre a causa dos metamorfos Skrulls perseguirem a nossa protagonista poderia ter dado azo a uma empolgante espécie de mistério policial, em que ambos permaneciam constantemente na dúvida de em quem poderiam confiar a cada passo da sua jornada. Mas a breve sequência que tem isso por base, acaba por não apresentar qualquer mistério, por nos revelarem logo quem é o metamorfo.

Tudo isto faz com que não haja propriamente um foco no filme, tornando-se bastante esquizofrénico, não sabendo a audiência se deve investir no conflito intergaláctico que está na base do filme desde o início, na parelha ao génerode um buddy cop movie entre (Dan)Vers e Fury, ou na busca pelo passado da protagonista. Aliás, para este último tópico, não ajuda o facto de desde o início (e mesmo desde os vídeos promocionais), após uma primeira cena passada em planetas distantes termos logo um vislumbre prolongado sobre diferentes fases da vida que sabemos que Carol teve na Terra.

Em toda esta mistura, e ainda que a escolha dos estúdios da Marvel em realizadores menos experientes e óbvios nestes blockbusters tenha anteriormente gerado exercícios interessantes (mais que não seja em termos visuais), até a cinematografia demonstra a inexperiência e falta de carácter destes realizadores, que acabam por não contribuir aparentemente com nenhuma visão específica para esta personagem com tanto potencial.

Assim, é com grande pena que o que prometia de facto expandir este universo de forma interessante, com a presença de novas racas e planetas de carácter peculiar, acaba por cair no peso da sua própria ambição e contexto. Larson, Jackson e Mendelsohn são de longe a melhor parte do filme, mas o que lhes é dado para trabalhar não tira proveito o suficiente do talento que transpiram. Esperemos que a Marvel se consiga voltar a focar, num contínuo alargamento deste universo cinemático, em cada duas horas que nos proporciona e não nas que virão depois.


Sem comentários:

Publicar um comentário