domingo, 6 de dezembro de 2009

A Idade da Inocência, por Carlos Antunes

http://www.moviegoods.com/Assets/product_images/1020/193600.1020.A.jpg

Título original: The Age of Innocence
Realização: Martin Scorsese
Argumento: Jay Cocks
Elenco: Daniel Day-Lewis, Michelle Pfeiffer e Winona Ryder

Há algo de gratificante ao vermos um Scorsese transformado neste filme, abdicando das suas urgência e ferocidade, e ainda assim perfeitamente ambientado.
Ao invés Scorsese filma com elegância e delicadeza, deslizando pelo interior da alta sociedade da época, demorando-se nos pormenores dos movimentos e dos olhares.


ageofinnocenceSPLASH.jpg image by pearlystagedoor

Pois são nesses movimentos e olhares que se disputa um homem, Newland Archer, que estando noivo de May Welland não resiste à aparição da Condessa Olenska, uma mulher independente e altiva.
Não é a beleza da Condessa que ameça o casamento aparentemente perfeito, é a sua rebeldia vivida no interior de uma sociedade fechada e repleta de regras rígidas feitas para estrangular todas as pulsões, todas as liberdades.
Aqui os casamentos e os comportamentos são utilitários, usados como benefícios e influências.

http://www.gonemovies.com/www/Raketnet/Drama/AgeNewlandMay.jpg

Mas à conta da importância das relações e dos comportamentos, a verdade é que há verdadeiras guerras a decorrer, guerras silenciosas feitas de sugestões e expectativas, os tais olhares e movimentos a que Scorsese deu tanta atenção e que revelam tanto daquilo que é menos secreto do que se pretendia.
Neste caso particular, a luta parece entre uma mulher de enorme experiência e e uma inocente e frágil rapariga apaixonada.
Mas a verdade é que os protagonistas estão muito menos definidos do que aparentam ou não fosse a Inocência do título uma caracterização irónia.

http://www.gonemovies.com/www/Raketnet/Drama/AgeEllenNewland1.jpg

Os três protagonistas são muito mais do que aparentam, por vezes mais frágeis, por vezes mais ferozes, mas dificilmente dispostos a renderem-se.
O final é, pois, tão surpreendente quanto esclarecedor, desmontando por completo o jogo de aparências e poder, reclamando uma verdade que prova definitivamente a ferocidade de um mundo que parecia tão perfeito.

http://qag.qld.gov.au/__data/assets/image/0011/73793/varieties/Thumbnail_320.jpg

O trio de actores são peões perfeitos de Scorsese e desta batalha discreta. Mesmo Winona Ryder que parece tão apagada ou esquecida em certos momentos está no tom perfeito que os eventos exigem.
Michelle Pfeiffer é, diria-se, perfeita como sempre, dona de uma elegência e sabedoria a toda a prova.
E Daniel Day-Lewis, tão exigente nas escolha dos seus papéis quanto na sua preparação para eles, não deixa espaço a sequer uma nota fora de tom na sua interpretação.
A Idade da Inocência é um clássico, dê-se-lhe a nota que se der (essa arma demasiado subjectiva). Um clássico magnífico.


http://ferdyonfilms.com/Age%20of%20Innocence%203.jpg

Sem comentários:

Publicar um comentário