quarta-feira, 6 de junho de 2012

Prometheus, por Tiago Ramos



Título original: Prometheus (2012)
Realização: Ridley Scott
Argumento: Jon Spaihts, Damon Lindelof

Em 1987, Paul Gauguin pintou um dos seus mais famosos quadros onde inscreveu em letras capitais e sem ponto de interrogação "D'où Venons Nous / Que Sommes Nous / Où Allons Nous". O pintor francês imortalizou assim as três questões que mais perseguem a Humanidade desde sempre e que foram e são repetidas vezes colocadas: De onde viemos? Quem somos? Para onde vamos?. Questões que poderão ou não ter resposta, mas que bem ilustram a busca do ser humano pelo sentido da própria vida. Ridley Scott parte desse mesmo tema e dessa busca inesgotável pelo conhecimento para criar em Prometheus um interessante mote e que vai bem mais além do mero filme de acção e ficção-científica. Ansiado na expectativa de uma prequela de Alien (1979) - que o próprio cineasta já negou - a verdade é que é inevitável não o vermos com um olhar comparativo, mas que a mim me parece injusto, já que embora pisque o olho aos fãs da saga, não fornece tantas respostas como o que alguns desses fãs poderiam esperar. Olhá-lo como uma prequela ou não de Alien é uma questão subjectiva e que cabe a cada um dos espectadores avaliar, contudo caso se opte pela comparação, não se deve negar Prometheus como um bom filme de ficção-científica, auto-suficiente e que sobrevive bem além das comparações.

Seguindo a linha comum dos filmes do género, a verdade é que Ridley Scott mantém-se como um mestre do género, mas alicerça-se bem no argumento de Jon Spaihts e Damon Lindelof (este último, argumentista de LOST) e que, para o bem e para o mal, respira os seus temas mais comuns. Bem equilibrado entre Religião, Mitologia e Ciência, a sua estrutura vai além dos arquétipos do género, construindo um argumento estruturado em dois interessante actos que permitem um reconhecimento adequado das personagens, bem como do contexto espaço-temporal, para partir para um segundo acto mais intenso e cheio de ritmo e acção. Não quer isto dizer que com tantas e interessantes ideias do ponto de vista biológico, teológico e filosófico que o filme não acabe por se perder dentro de tamanha ambição. Já que é algo habitual, especialmente para quem conhece o trabalho de Damon Lindelof, sendo que este Prometheus acaba por levantar ainda mais questões que respostas e gera alguns buracos narrativos que seriam interessantes de resolver. Não são porém essas falhas que tiram o mérito ao filme, que se revela um dos mais interessantes e fascinantes filmes de ficção-científica dos últimos anos. 

O argumento é bem carregado pelo elenco de actores, de onde se destaca uma incrível Noomi Rapace que assegura o seu lugar junto ao panteão de mulheres destemidas do género, ao lado de Sigourney Weaver, como Ripley na saga Alien. Não ignorando também o maravilhoso trabalho de Michael Fassbender como uma composição inteligentemente bem concebida de um andróide e o de Charlize Theron, a merecer também lugar de destaque pela sua prestação forte e gélida.

Se essa narrativa tinha potencial para algo mais, não há como negar o portento técnico e visual criado para Prometheus. Estamos perante um universo rico e detalhado, com efeitos especiais invejáveis a qualquer produção do género dos últimos anos, num trabalho impressionante a nível de efeitos visuais (WETA digital), fotografia (Dariusz Wolski) e design de produção (Arthur Max). São estes aspectos técnicos que permitem ao filme, mesmo quando o argumento não atinge o nível de tensão correcto (pessoalmente, gostaria de ter sentido uma componente de mais terror e claustrofóbica), ganhar pontos num bom equilíbrio a nível sonoro com os sons ambiente, bem como num constante jogo de luz e sombra. Não descartemos igualmente a boa banda sonora de Marc Streitenfeld. O 3D é também ele a prova que a utilização desta técnica não necessita se basear nos conceitos comuns de imagem pop-up, conseguindo ser utilizado de uma forma equilibrada e não fatigante, bastante subtil, mas rico na construção da profundidade de campo.

Prometheus pode não ser o melhor filme de ficção-científica de sempre, mas é com certeza a prova que Ridley Scott é um mestre do género, sendo capaz de ser inteligente e garantir entretenimento, simultaneamente. Não há dúvidas porém que é capaz de se manter seguro ao lado de outros bons filmes do género, entre eles o Alien.


Classificação:

2 comentários:

  1. Só não concordo com duas coisas:
    A Banda Sonora, não gostei, achei fraca e não cria ambiente. Faz lembrar Os Encontros Imediatos do 3º grau.
    E o 3D. Não acho que crie a profundidade de que fala. Muito longe do que o AVATAR e o HUGO conseguiram fazer. 

    ResponderExcluir
  2. Quero ver, sou fã do género. Bom apontamento.

    ResponderExcluir

Comentários recentes no blogue

Powered by Disqus

Receive all updates via Facebook. Just Click the Like Button Below

?

You Can also Receive Free Email Updates:

Powered By NBT